Referências

De à sombra do futuro

Ir para: navegação, pesquisa

Referências

Textos

O termômetro da Bienal de São Paulo, por Nizan Guanaes, Folha de São Paulo

Pierre Menard, autor do Quixote, por Jorge Luis Borges

Mar Aberto, por Jotabê Medeiros, O Estado de S.Paulo

Brasil: O triunfo da experiência sobre a expectativa, por Victor Serge

Museu do Amanhã é lançado no Cais do Porto, por Jacqueline Costa

Presidência da República gasta R$ 3 milhões para compra de novo mobiliário para o Planalto

Do uso da violência contra o Estado ilegal, por Vladimir Safatle

Entrevista com Eduardo Viveiros de Castro, originalmente publicada no livro "azouge 2006-2008'


Vídeos

Clipe da música "There goes the fear" da banda pop The Doves

Publicidade da Cidade Administrativa Presidente Tancredo Neves apresentado pela atriz Cristiane Torloni

Projeto Gigante Para Sempre

Adolpho Leirner Collection - vernissage.tv

Arquiteto Santiago Calatrava apresenta o projeto do Museu do Amanhã, que será instalado no Píer Mauá, zona portuária do Rio de Janeiro

2012 - Cena do filme que mostra a destruição Rio de Janeiro Brasil


Livros

Elaine Sturtevant, author of Quixote, por Elaine Sturtevant

Brasil, país do futuro, por Stefan Zweig

Famoso livro que o austríaco Stefan Zweig escreveu sobre o país em 1941 (ano da primeira edição)após visitá-lo. Nenhum título foi tão celebrado quanto este. O livro já foi reeditado inúmeras vezes.


Brasil, país do passado?, por CHAPPINI, Ligia; DIMAS, Antonio; ZILLY, Berthold (Org). São Paulo: Edusp: Boitempo, 2000.

Os autores deste livro, brasileiros e europeus, analisam as idéias de Antono Callado, Betinho, Darcy Ribeiro, João Antonio, Paulo Freire e Paulo Francis, intelectuais que tiveram em comum a militância teórica e prática contra a ditadura militar. O título faz referência provocativa à obra Brasil, País do Futuro, escrita por Stefan Zweig em 1941.


Admirável Brasil Novo, por Ruy Tapioca

Ruy Tapioca escreveu Admirável Brasil novo, seu segundo romance, depois do sucesso de A república dos bugres. Antes, o autor voltara-se para o passado do Brasil, abordando o período entre a chegada da família real portuguesa, em 1808, e a Proclamação da República, em 1889. Inspirado em George Orwell, Aldous Huxley e Stefan Zweig, Tapioca escreveu desta vez uma ficção científica tupiniquim, como ele mesmo a define: "achei o momento político do Brasil propício para a empreitada. O livro é uma espécie de 1984 carnavalizado e tropicalizado". A nova empreitada mostra no que deu o "país do futuro".


Rua de mão única, por Walter Benjamin

Rua de mão única foi o primeiro esforço de Walter Benjamin de romper os limites estreitos da academia e aplicar as técnicas de estudos literários à vida como ela é vivida atualmente. Para Benjamin a crítica engloba os objetos comuns da vida, os textos literários da época, os filmes em versão atual, e as preocupações fugazes da esfera pública.


A parte maldita - precedido de A Noção de Despesa, Georges Bataille

Para Georges Bataille, A Parte Maldita abordava, "à margem das disciplinas particulares, um problema (…) na esteira de todos os que põe cada disciplina que aborda o movimento da energia na terra - da física do globo à economia política, passando pela sociologia, a história e a biologia (…). Até mesmo o que pode ser dito da arte, da literatura, da poesia se liga fundamentalmente ao movimento (…) da energia excedente, traduzido na efervescência da vida." O sentido mais íntimo desta empresa é dado pelo facto de que esta ebulição do mundo, votada ao "abandono", ao "escoamento" e à "tempestade" é concebida à imagem da que não cessou de animar a vida do autor.


Mamõyguara opá mamõ pupé: 31º Panorama da Arte Brasileira, por Museu de Arte Moderna de São Paulo

'(...) 31º Panorama reuniu obras de artistas estrangeiros que de algum modo tenhams e engajado com a arte, com a cultura ou com a história brasileira. Num sentido expandido,'arte brasileira' é aqui compreendida não como arte produzida por brasileiros, mas como aquela que estabelece fortes referências a temas e conteúdos brasileiros. O resultado foi uma mostra composta por obras brasileiras feitas por estrangeiros, nem tanto com elementos exóticos, mas através de uma forte presença da abstração geométria na qual a grade é muitas vezes subvertida por elementos orgânicos, sinalizando um legado do neoconcretismo.'


F(r)icciones. Versiones del Sur, por Museo de Arte Contemporáneo Reina Sofia

A mostra curada por Ivo Mesquita e Adriano Pedrosa se articulou em torno de dois conceitos: ficciones e fricciones, ambos tomados como instrumentos possíveis de investigação para analizar a experiência latinoamericana. O termo Ficciones foi apropriado da obra de Jorge Luís Borges em que se borra a distição entre gêneros literários. Esta noção alude ao entrecruzamento da literatura con a crítica, a poesia, a teoria e a refleção; entendendo o conjunto de todas elas como uma narrativa que questiona as resoluções finais e únicas. Entre os motivos formais e temáticos estavam: o labirinto, as cidades, a rede, as histórias; a exposição buscou a fricção ou interferência entre o histórico e o contemporâneo, entre múltiplas linguagens, meios, formatos e conteúdos. Não se pretendeu propor uma exposição histórica, nem uma cronologia, mas sim mesclar conceitualmente e relacionar obras do período colonial, do século XIX e do XX, em um mesmo espaço expositivo. O conceito de contaminação proposto por Paulo Herkenhoff na Bienal de São Paulo de 1988, foi adotado criando diálogos e fricciones entre as obras clássicas e contemporáneas.


Dimensions of Constructive Art in Brazi: The Adolpho Leirner Collection (Houston Museum of Fine Arts) Mari Carmen Ramirez (Autora/Author), Adolpho Leirner (Autor/Author), Peter C. Marzio (prefácio)

Este livro ilustrado aborda a recente aquisição pelo The Museum of Fine Arts, Houston, da Coleção Adolpho Leirner de arte construtiva brasileira, uma das coleções mais importantes e completas do mundo dedicada à arte moderna latino-americana nos anos 1950 e 1960, incluindo obras de Cícero Dias, Samson Flexor, Lygia Clark, e os membros do Grupo Ruptura de São Paulo e Grupo Frente de Rio de Janeiro.


Outras obras

Aqui você encontra outras obras que poderiam fazer parte do conjunto exposto no Instituto Cervantes

Do It Yourself: Freedom Territory, 1968, por Antonio Dias

Brasil Nativo Brasil Alienígena, por Anna Bella Geiger

Brazil Today, por Regina Silveira

Hino, por Regina Parra